quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Cemig alerta para consumo desnecessário de equipamentos em stand by


O simples ato de desligar os aparelhos da tomada interrompe esse consumo dispensável
A eletricidade consumida por aparelhos eletrônicos no modo stand by ou espera pode representar um acréscimo de até 15% na conta de energia. Por isso, a Companhia Energética de Minas Gerais – Cemig informa aos seus clientes que medidas simples podem gerar economia e, principalmente, evitar este tipo de desperdício.

Segundo o engenheiro de Soluções Energéticas da Cemig, Leonardo Resende Rivetti, equipamentos que as pessoas costumam ter em casa, como DVDs ou Blu-Rays, receptores de TV por assinatura, computadores, televisão, dentre outros, podem ficar ligados em modo de stand by 24 horas por dia, e a soma do consumo destes equipamentos, mesmo em “modo de espera” certamente eleva o valor da conta no final do mês.

“Se você deixa um equipamento ligado desnecessariamente, está desperdiçando energia. Em stand by, os aparelhos consomem menos do que em uso normal, é como uma torneira pingando 24 horas. Para economizar é necessário que o consumidor desligue ou retire o equipamento da tomada. Vale ressaltar, ainda, que os equipamentos mais antigos consomem mais, no modo de espera, do que os mais modernos”, afirma.

Atualmente, os receptores de TV por assinatura são os que mais consomem energia no modo stand by.  Assim, apenas com o simples ato de desligar os aparelhos da tomada interrompe esse consumo dispensável.

“Não há dúvida de que a mudança de hábito é a melhor maneira de se evitar o consumo desnecessário. Se o consumidor sabe que vai ficar muito tempo sem usar a TV, não custa nada desliga-la. Também é importante não deixar o micro-ondas só por causa do relógio digital ou o carregador de celular conectado sem necessidade à tomada”. Qualquer economia, o Planeta agradece, destaca Rivetti.

Sustentabilidade

Leonardo Resende Rivetti ressalta, ainda, que as simples mudanças de comportamento podem impactar positivamente para o meio ambiente. “Toda economia que fizermos no presente certamente será importante para as gerações futuras”, comenta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário